sexta-feira, 28 de junho de 2013

Rapidinhas...

Quem me conhece sabe, em qualquer circunstância da vida, eu consigo achar graça, e rir, e agradecer.

E quem me conhece, sabe... Estou atravessando dias ruins. Bem ruins.
Não vou entrar em detalhes, porquê na verdade quero registar nesse meu caderno virtual, partes engraçadas dos bate-papos que me ajudam e ficar firme e forte durante a tempestade. E, também, brindar com alegria a AMIZADE, um dos melhores presentes que uma pessoa pode conquistar, nessa existência.

***Bom frisar: Quem me conhece, sabe do meu jeito de falar e escrever. Quem me conhece, sabe do respeito que tenho por tudo o que há e por tudo o que supomos que há. Logo, o meu jeito de falar e escrever não coloca "adoção", "casamento" ou qualquer outro tema na visão de "barganha" ou "comércio", como uns e outros teimam em interpretar.***

Trecho dos "papos", adaptados:
1)
Eu: -Fiz traquinagem... Como quem nada quer, sondei uns amiguinhos... Sabe comé, eles tem "sementes" e não pretendem usá-las... Logo, assim, no entanto porém... eu necessito de "sementes" para uma "realização" um "projeto científico independente de grande magnitude". Pedi. Só um deles respondeu ATÉ AGORA com um: SIM!! Te dou as sementes, mona! (Os outros, devem estar procurando por um sanatório que me aceite).
As amigas: - SUA LOUCA!!!
2)
Uma amiga:-É fato, o Universo conspira a nosso favor, basta confiar...
Eu: - Pois é, mas eu confundo o Garçom-Universo... Do nada, penso outra coisa e grito "Cancela as fritas" mas já estavam no meio do caminho. Então eu falo pro Universo: Cara, tá demorando muito pra esse marido pegar no tranco, Troca. Quando o Garçom começa a providenciar a troca eu penso que: até conhecer outra pessoa, me acostumar com outra pessoa, me certificar que a outra pessoa me ama, e tals, pode significar mais longos 7 anos, e, sendo eu uma pessoa assim, necessitada de companhia, aviso ao Garçom-Universo: Pensei melhor, mantem esse marido mesmo, cancela a troca. Ele é mais lerdo que um orangotango com pé engessado, mas, já "tá adestradinho". Pode ser que a troca já estivesse 75% concluído. Sou dessas.
A amiga: - Muitos kkkks seguidos e no final, SUA LOUCA!!!

É isso, por hora. Precisava registrar, rs.

O lado bom de tudo na vida, é que tudo sempre pode melhorar.

E que Julho chegue, mais doce, e menos frio.


quinta-feira, 20 de junho de 2013

Brasil

Estamos atravessando dias de bastante agitação.
Protestos acontecem em vários pontos do mundo, pessoas unidas e munidas de coragem e esperança manifestam a favor de melhorias sociais. O início foi um reajuste no valor das passagens do transporte público, absurdo, diante das condições desumanas na prestação desdes serviços em todo o território nacional. Não é, definitivamente, um reajuste válido.
Um grupo de pessoas contagiou outros grupos, nós, brasileiros, descobrimos um orgulho, que estava lá, escondidinho no fundo do peito, ao constatar que, unidos por um objetivo legítimo e em comum, temos poder e força.
fonte: facebook, vários compartilhamentos.

Eu confesso, não acredito assim, tão facilmente, que o Brasil finalmente passe por todas as mudanças que precisa passar para enfim, ser de fato um lugar bom, decente e agradável de se viver. E confesso também que, "nunca antes na história deste País" pensei que nós, os brasileiros, tivéssemos essa capacidade de protestar assim, do jeito que estamos fazendo. Há, como sempre há, misturado nas multidões, pessoas sem caráter, dispostas a cometer crimes (depredar, roubar, vandalizar, etc), mas, o mundo todo sabe que isso acontece mesmo. E, são minoria, uma minoria deplorável, pessoas cuja a existência é lamentável. Assim como é lamentável que, partidos políticos, tentem se aproveitar desse momento. Bom, aproveito e confesso também que não acredito em resultados de urnas, acho que uma democracia maquiada não é válida, voto não deveria ser obrigatório, políticos tinham que receber salários compatíveis com o salário de qualquer trabalhador normal, levando em consideração as atribuições da função e o grau de instrução. Seria justo.

Minhas confissões e idealismos de um Brasil dos Sonhos à parte, esse é um momento histórico. Embora a previsibilidade do "tudo acabar em pizza" ou então, apesar do medinho da reação do governo, caso os baderneiros idiotas tornem isso tudo fora de controle, quero acreditar que, ou por perceber que o povo não está de brincadeira ou por uma pressão de outros países, realmente aconteça uma reforma política aqui.

Há muitos interesses em jogo, sei que é difícil acreditar, mas eu estou tentando sim. Ser positiva me faz bem.


Mas eu protestei também!!
Compartilhando mensagens que me fazem sentido, assinando e compartilhando protestos virtuais para tirar o poder político de uns sem noção que estão lá no Congresso só fazendo lambança, torcendo pela integridade física dos corajosos que estão lá, dando a cara a tapa, lutando por melhorias que muito me agradariam. Orando para que esse momento não seja em vão, que não esqueçamos facilmente, e que, principalmente, aprendamos a votar (já que, até que provem o contrário, democracia existe e a urna não é uma fraude).

E, bom, preciso falar do outro lado da moeda.
É válido, justo, legítimo, fundamental e imprescindível que o povo, que nós, brasileiros, lutemos por nossos direitos de transportes decentes, ruas em boas condições de tráfego, cultura, patrimônios preservados, ensino, (escolas em condições dignas, professores respeitados e bem remunerados), saúde, (hospitais com acomodações, equipamentos e pessoal capacitado), segurança, salários dignos, enfim, lutar por tudo isso é um direito sim. Mas temos deveres. O dever de escolher bem quem quer que governe. O dever de fazer por merecer dignidade, sendo digno, merecer respeito, respeitando.
Manter a cidade limpa, respeitar leis de trânsito, ser solidário, não subornar, EDUCAR NOSSOS FILHOS, prestar atenção ao consumo, ser responsável com o lixo que gera, são alguns dos nossos deveres,  e cumprirmos esses deveres é tão importante quanto protestar e cobrar o governo.

Bom, tá aí a minha opinião.
Alivio na alma, me define (porque eu estava engasgada com vontade de falar disso).