quinta-feira, 4 de outubro de 2012

São Chiquinho, Animais e Natureza

Hoje os animais são lembrados. São Francisco, meu mestre Chiquinho, reverenciado e a importância da natureza é mencionada.
Tomara Deus que as mentes entendam de fato o que é a importância da natureza. Que São Francisco traduz as lições mais importantes e que os animais são fonte inesgotável de sorrisos e alegria. Que os animais domésticos são filhos peludos, e que temos para com eles o compromisso de garantir vida feliz e saudável até que Deus os chame para alegrar o Céu.
Tomara Deus, a energia desse dia de prolongue por dias além. Amém.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Adoção I.

E desde de criança respondia "mãe de 6" para a pergunta "e o que você quer ser quando crescer". Nas brincadeiras, meus 6 filhinhos eram diferentes, fisicamente e pela forma que chegavam a mim. Adoção, assim como outros temas que chocam e dividem a opinião social, eram para mim uma naturalidade da vida.

Como muitas amigas, não há, para mim, de fato, um diagnóstico claro, sucinto e inegável de infertilidade. Tive D.I.P. mas tive alta. Morro de medo das dores e frustrações envolvidas quando nos dispomos a tratamentos para engravidar. Até onde sabemos, o problema não é comigo. Logo, ...

Bom, depois de muito gastar saliva, convenci o marido e avisei a família e os amigos próximos. Saibam, não foi legal. Baldes e mais baldes de água fria, distanciamentos. Previsões catastróficas.

A vida apronta das suas e passei por uma experiência. Boa ou ruim, não sei ainda, mas tem dos dois sabores, dependendo do ponto de vista. Eram crianças crescidas. Seria uma adoção tardia. Eu, com meu coração mole, bobo e fértil para novas sementes, abracei o sonho, a perspectiva, me senti mãe, arrumei quartos, despejei marido do escritório, enfim... Ele, o marido, abraçou comigo, se envolveu. E nós sabíamos não poder contar com nenhum apoio de nenhum parente, e de quase que nenhum amigo.

Enfim, por um conjunto de pormenores, não deu certo. Não vou entrar em detalhes.
Eu me senti: Incapaz. Desaprovada. Indesejável. Arrependida. Péssima pessoa.
Fiquei deprimida. Muito triste. Revoltada demais. Culpada. Comprometida com o futuro deles.

Tudo tem pouco mais de 1 mês agora. Excluí o outro blog, mergulhei em outros assuntos, olhei mais para mim mesma. Questionei tudo e todos. Relações em cheque, desejo de mudar pra Marte.
O desapego instantâneo que senti por tudo e todos ao meu redor acionou o alarme: Não estava nada bem e precisava urgentemente de ajuda. Só que eu NÃO sou fácil, doce nem gentil nessas fases e como não há no mundo quem de fato consiga/possa/mereça o castigo, ops, o desafio de me aturar, ops, ajudar, prefiro curar minha ferida sozinha mesmo, obrigada.

Nada de terapia. Um pouco de nhem,nhem, nhem e mimimi (amigas e marido vão pro Céu sem pagar pedágio, daqui muitos e muitos anos, ok). Remédio pra dormir, depois da crise de insônia. Vitamina pra me manter acordada. E a vida segue, e os desafios surgem, e a gente vive, e assim vai indo.

Hoje, 03 de Outubro, decidi que era hora. Retomar rédea, me posicionar novamente nesse tabuleiro xadrez,  e continuar me melhorando de pouco em pouco. Se esperasse, amanhã ou depois, perderia o fio.

Com relação a adoção, estamos lá, papelada correndo e coração pensativo. Perdi a pressa. Preciso desse tempo pra casquinha da ferida secar. Mas ando sonhando com a Minha Emília.

Organizando.

Ordem é Progresso - frase que há tempos se registrou aqui na mente.
Porém, por inúmeros fatores, minha vida chegou a um caos de bagunça, tralha, dinheiro sendo usado de forma atrapalhada, tudo gerando falta de educação social, inclusive: casa bagunçada, não convido ninguém; falta de grana: não dou presentes/ não vou nas festas, etc e tal.

Até ia tentar registrar os possíveis motivos, mas o fato é que agora o lance é consertar o estrago, e fazer a coisa de um jeito que funcione e permaneça.

Aí que pesquisei sites, blogs, matérias. Tô aprendendo a me re-organizar em todos os setores. E isso tá sendo bem legal.

Aqui tem o material que está me ajudando:

http://christianbarbosa.files.wordpress.com/2008/04/ebook-organizacao-triadedotempo.pdf



Aqui no escritório (hora de almoço = hora vaga, ok) estou em movimento. Reduzi e etiquetei tudo. Simplifiquei os processos. Estou mais produtiva.

Em casa também estou mexendo, mas lá a coisa complica mas devido ao fato de ser bem longe, fim de mundo, sem asfalto, empoeirado e casa grande, enfim, somando a isso a minha falta de tempo, temos uma casa fantasmagórica. Mas eu conseguirei.

Aí também aproveito e organizo mente e coração né, porque controle fora de prumo deixa a gente a deriva, e na boa, O Maestro dá a nota, ilumina e guia, mas quem caminha sou eu mesma. Fora de prumo, cambaleio e faço caca. 

Recomeçar é preciso.

Bom, a vida é de ciclos. As fases surgem, duram um tempo, dependem muito da nossa ação ou não ação em função delas, mas certamente passarão. E surge outro tema.

Eu tenho uma pequena infinidade de defeitos: falo mais que a boca, tem hora. Me meto em confusão com uma facilidade excepcional. Possuo a capacidade extraordinária de mudar de ideia, porém, numa velocidade sem limite, me fazendo deixar vários projetos inacabados. Como ''...não tenho tempo a perder, só quero saber do que pode dar certo..." me apego e desapego rápido (sim!!!) e fácil (nem sempre!!!).

Eu tenho uma pequena infinidade de virtudes: sou amiga. Me importo, procuro ser presente. Telefono. Ouço. Dou pitaco (e isso nem sempre é bom). Possuo a extraordinária habilidade de esperar a minha vez. Tenho uma fé sobrenatural embora conteste sempre os porquês da vida. Prefiro rir do que chorar. Invisto alto sem dó até que duvide do potencial e abraço forte sem medo, só por querer bem mesmo.

Bom, assim me vejo. Assim é que me percebo.

Estou no meio de uma ponte bamba e alta, atravessando, de uma fase a outra, nessa vida abençoada.

Ainda não sei a cor da fase a uns passos instáveis a frente, mas trago uma trouxa com as poucas coisas boas da fase cinza que abandonei. 

Agradeço ao Maestro, que coordena tudo em minha vida, pela chance de mudar de fase, pela saúde pra continuar seguindo e pelos sonhos que brotam novamente, apesar da estiagem ou da falta de nutrientes no solo fértil do meu coração, que compensa sem prejuízos os pequenos desajustes no quesito fertilidade em outros pedaços desse corpo que habito e conduzo. 

Peço ao Maestro que ampare a ponte, para que o balanço dela seja suportável e não me faça cair. Que a nova fase, tenha mais cor, mais vontade, mas sorrisos. Que os sonhos fecundados no meu coração encontrem terra fértil para se desenvolver. E que todas as mudanças sejam bem vindas a minha volta também.

Aperte o PLAY, Maestro. Quero dançar.