quinta-feira, 28 de junho de 2012

Mudanças

Entre aí e não ponha reparo na bagunça.

Estamos trabalhando para melhor atendê-los (as) !!!

Beiju!

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Adoção - Capítulo 8

Ai mais uma moça que quer ser mamãezinha me procura. Mais uma nova amizade desponta. E ela está "naquele ponto" que é difícil de passar...
Respondendo o e-mail dela, surgiram essas palavras através das minhas mãos. Lendo, tive o impulso de publicar aqui. Sem maiores pretensões. Mas é que achei bonito mesmo.
Aqui ó:

Não se desespere. Ore, e confie em Deus e fique atentas aos sinais que Ele te dá.
Eu já senti tudo isso que você descreveu. Não é fácil. A gente se sente menos mulher e menos gente. Mas temos coração fértil, que semeia fácil a semente linda da possibilidade da adoção.

Adoção não é caminho fácil nem certeiro. Assim como “se tornar mãe” por outros caminhos, também não é. Para se tornar mãe a pessoa tem que aceitar no coração, preparar o físico e o psicológico, adaptar rotina, espaço, lidar com um monte de pitacos alheios irritantes. Mesmo que engravide facilmente numa noite qualquer, mesmo que pague caro com dinheiro e esperanças frustradas muitas e muitas vezes em tratamentos. Na adoção nós nos expomos e estamos a mercê do julgamento da justiça, este é o preço. Socialmente falando, somos olhadas como extraterrestres.

Eu antes, pensei muito, muito mesmo, sobre isso tudo. Foram 4 anos pensando se realmente “ser mãe” era algo assim “tão fundamental” na minha vida.
Pensei em mim mesma: Em como sou, o quê gosto, no meu ritmo. No timeque a minha vida tá. Lembrei em como reagia a cada bebê que nascia em volta. Comecei a prestar atenção em mim mesma no trato com crianças de várias idades. E conversei muito mesmo com marido e mãe. Preciso que todos concordem e abracem a causa junto comigo. Percebi que bebezinhos exigiriam de mim, neste momento, uma atenção/ tempo/ disponibilidade diferente do que é tudo isso com crianças maiores. Percebi que adoro ajudar nas lições e ensinar coisas naturais da curiosidade deles e, como o Universo Conspira, tudo em volta me chamava a atenção para as possibilidades de crianças grandinhas serem felizes comigo. E Deus mostrou o caminho até eles. E eu, segui o caminho, sem medo.

Tudo pode acontecer. Tudo pode dar errado, aparecer um parente idiota, talvez. As crianças podem chegar a conclusão que não querem ficar, sei lá porque. Eu posso um belo dia acordar com vontade de fugir da vida, quem sabe? Desafiante a vida é. Ouço todo dia previsões terríveis e absurdas, sempre sob o argumento de que “não é impossível, coisas assim já aconteceram”. Só que todas essas questões não fazem sentido nenhum neste momento, e se, um dia, tiverem que acontecer, Deus me mostrará como agir.

Pareço uma religiosa fervorosa né? Não sou não. Não tenho religião mas gosto bastante do espiritismo, embora não pratique nada, além de orações que brotam do peito toda vez que dá vontade. Penso em Deus como uma fonte infinita de liberdade e poder para as coisas boas.

Quanto a milagres, acontecem sim. Conheço uma moça que gerou 2 filhos com apenas 3% do útero. Acredito que a Fé pode tudo. Acho que se a gente acredita de verdade que dá conta do que tá pedindo, Deus dá e ainda ajuda na tarefa. Aqui não desisti de um bebê. Mas hoje quero filhos maiores. O bebê pode vir depois, daqui uns anos, quando eu tiver mais tempo e mais dindin. E pode ser até que venha naturalmente, né?? Quem sabe? Como tenho que dar chance pra Deus promover o milagre, faço oração na água que levo pro quarto, que bebemos durante a noite, para Nossa Senhora Desatadora dos Nós, desatar, se for a vontade de Deus, os nós físicos, biológicos, psicológicos, favorecendo uma gravidez saudável, e se isso for para o bem e alegria de todos, na hora certa, acontecerá.

É isso, Simone. Me empolguei, né??
Vou publicar isso no blog, pois fui inspirada por não sei quem de luz.

terça-feira, 19 de junho de 2012

Carta para minha mãe

"...eu quis fazer uma canção pra você viver mais..." Pra você viver pra sempre!

Mãe,

Amo você mais que tudo. E de novo, sinto o medo que tantas e tantas vezes apertou meu coração. Imploro a Deus que não nos castigue tanto, pois passamos por dores inimagináveis, juntas, e não merecemos de modo nenhum, que um momento bonito como deve ser a evolução do nosso corpo em luz, seja atormentado pelas coisas que detestamos, como a falsidade, o desespero, enfim... Peço a Deus que nossas passagens sejam para viagens ainda distantes de acontecer, e que nos dê tempo de esclarecer e curar situações... Nem sei o quê dizer. Senti esse medo inúmeras vezes durante esses anos todos. Mas ontem, mãe, te ver tão magrinha e frágil, cansada de toda a dor e tristezas impostas pela covardia de alguns, ontem, eu realmente fiquei desesperada, mãe, e não sei como agir. Não sou gente de ficar espalhando tristeza por aí. Tento driblar minhas dores com gargalhadas, ué, é meu jeito.
Mãe, por favor lute, seja forte, reaja mais um pouco. Estou com você. Sempre.

Eu te amo, por favor não desista!

Todo amor do mundo,

Dedé