sexta-feira, 25 de maio de 2012

Dia Nacional da Adoção

Estou aderindo a BC também, gentem!!! Aqui no Versos e Etc, da Dani Pivatelli !! Leia histórias lindas, e se inspire.

Sobre decidir ser mãe, pelo meu ponto de vista.

Mãe é amparo, diretriz, nutrição. Mãe é atenção e cuidado.
Ser mãe é ter o coração em outro corpo. Mãe é capaz de coisas nunca antes imaginadas, em função de alimentar, preparar e garantir o que é importante pelo filho.
Para ser mãe não é necessário que a pessoa seja mulher. Não importa a idade, a quantia de dinheiro, a posição social ou a profissão. Não importa quais são as preferências pessoais.
A ATITUDE MATERNAL está em corações de pessoas de todos os tipos, cores, alturas, classes.
Ser mãe não é, necessariamente fecundar um óvulo e carregar um lindo barrigão, somente.
Ser mãe é desejar ser, pra´quele serzinho pequenino, indefeso, chorão e fofo, a garantia de alimentação e segurança para que a vida floresça. É desejar oferecer a esse presentinho divino a oportunidade de um futuro digno. É desejar de todo coração transformar aquela coisinha miúda num ser de bem, equilibrado, coerente. Que essa pessoinha se torne capaz de honrar o livre arbítrio - Melhor Presente da Vida - escolhendo boas sementes pra colher ali, uns passos a diante, bons frutos, como a liberdade que a boa educação proporciona.
Quando há Atitude Maternal no coração da gente, a gente é mãe. Sendo a gente a avó, o avô, uma tia, a babá,  uma amiga da mãe, um homem que ama outra homem e deseja com ele formar uma família, uma mulher que ama outra mulher, enfim. Se temos essa "coisa" no peito, vamos dar um jeito de sermos "mãe".
E mãe idealiza, né? Idealizamos olhos e bocas, sons e cores. Idealizamos vontades e futuro. Idealizamos até festas de 15 anos e formaturas, veja só.
Eu abri meu coração pra Deus - e Deus, pra mim, particularmente, é um assunto que me divide (mas em um outro momento, talvez, eu fale sobre isso). Disse pra Ele que precisava urgentemente, doar essa "coisa maternal" pra uma criança, pois se mãe da própria mãe e do próprio pai, e dos 5 filhos-de-rabo já não estavam bastando, e uma criança era fundamental. Aí a Voz Dele soprou que 2 seria melhor, e que maiores, seriam o ideal, neste momento da Vida aqui dentro e em volta. Abri meu coração e Deus colocou nele uma menina fofa, quase mocinha, que com a possibilidade de ganhar uma vida nova recuperou sonhos e esperanças que antes, já havia perdido. E um guri levado, que, durante anos, pediu um Pai, pro Papai Noel.
Não sei como vai ser. Não sei no que vai dar. Mas vou fazer o meu melhor pra ser pros filhos que Deus plantou no meu coração - onde acontece a gestação de uma família nova - uma mãe que deseja os ver pessoas amadas, tranquilas, sorridentes, equilibradas, responsáveis pelos filhos que um dia tiverem, quebrando o ciclo do abandono, tão presente em suas infâncias. Tenho certeza que esse mesmo Deus, plantador de sementes nos corações das mães, cuide de nossas relações com nossos filhos, dia-a-dia.
Por que, sob o meu ponto de vista, particular e tímido, Mãe gera no coração. Aceita no coração. Se isso não acontece, o filho cresce sem atenção, cuidado e carinho. E criança sem atenção, cuidado e carinho fica perdida, igual passarinho que cai do ninho. Fica a disposição dos perigos da vida, fica a mercê de fome e ferida.