terça-feira, 26 de abril de 2011

Vida de cachorreira!

Ficar atenta a sons e consistência. Olhar, sentir e vasculhar pele/pelo... E achar, sempre, uma surpresinha desagradável. Ainda mais quando acha que morar no campo e a melhor saída. Dai, pulga, carrapato e etc e quesito básico no que diz respeito ao bem estar e saúde dos caninos e na manutenção e higiene do palacete. Durante o tempo da doença do Beni, quando eu ficava vasculhando a internet na tentativa de achar um milagre, descobri um remédio chamado BIOCAO, que e homeopático e que repele essas porcarias. Já era pra ter comprado, mas eu me ocupei só do Beni, e os outros ficaram de lado, tadinhos!
Vou fazer o pedido e ver se da certo!

O coelhinho

O querido tem 4 sobrinhos, e eu, como sua querida, sou chamada de tia por eles. ADORO, confesso! 2 estao na ebulicao da adolescencia, mesma fase da minha entiada. O terceiro esta na fase de transicao e o caculinha esta com 8 anos... e me adora! (rio muito)
Na praia, brincando com ele de pular ondas, fiquei com a coluna em farrapos, situacao levemente agravada pelo detalhe de dormir em colchao inflavel, numa barraca de camping. Show!
No sabado, quando fui me despedir, a irma o maquiou de coelhinho e o avo fez orelhas com saquinho de mercado! E ele me entregou o ovo que o querido comprou cedinho.
Ai ai, que eu me derreto toda!

Beni no Ceu

So agora, quase um mes depois, consigo falar a respeito. Beni, filhinho, esta correndo no ceu, e pode comer tudinho o que desejar, e nao tem mais limitacoes, e brinca, e pula, e abana o rabinho quando ouve minha prece!

A TIA

- teclado do cunhado sem acento e etc -
Antes eu era so o projeto barrigona/bebe/fralda/e assuntos afins. Pensava nomes, imaginava situacoes. Antes, ainda solteira, na oportunidade de uma producao independente, idealizei o semen do doador (desconhecido) com as caracteristicas do meu amigo/amor platonico, mas ninguem jamais ouviu essa confissao!
Ai o tempo passou e passa ligeiro. Nao aconteceu. Investiguei causas em todos os niveis. Tive momentos de revolta. O fato e que por ser esse um projeto basicamente so meu, ninguem, ninguem mesmo, entende o porque o nao acontecimento disso me frustou tao paralizantemente.
Nada de Rodolfo, Luisa, Daniel ou Julia.
E o projeto paralelo de adocao, que nunca foi de fato muito bem compreendido pelo meu querido, comecou a vir a tona sutilmente, por diversos acontecimentos do dia-a-dia. Percebi entao o preconceito por parte da familia dele.
Eu me travo. E nao consigo nem falar sobre um assunto ate que ele esteja definitivamente resolvido na minha cabeca. Eu quis e fiz a minha parte muito bem feita para realizar meu sonho durante os ultimos 3 anos, mais ou menos. Hoje, o querido esta investigando possiveis problemas com ele. Mas o fato e que estou confusa/triste/preocupada e sem saber como resolver isso em mim.
Isso tudo acontecendo, ja tem tempinho. Tempinho onde 3 amigas e a cunhada se descobriram gravidas, cada uma em seu contexto bem peculiar, mas todas, lindas e plenamente femininas!
Fico muito feliz por elas, mas no comeco eu fiquei abalada. Por que foi ao mesmo tempo, para as 4. Ainda que, em janeiro, eu passei um perereco tipicamente semelhante a um aborto espontaneo.
Ai que passei o feriado da Pascoa pensando muito nisso tudo, tentando elaborar e equilibrar os sentimentos dentro da cuca e do coracao.
Acho que agora chegou a hora de assumir meu lado TIA! Afinal, Joao Vitor, Maite, Jenifer e Guilherme estao chegando, e precisam de uma tia bem palhaca e divertida, preciso estar alto astral!